[Cipriano Dourado]

[Cipriano Dourado]
[Plantadora de Arroz, 1954] [Cipriano Dourado (1921-1981)]

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

[1564.] ELZIRA DANTAS MACHADO [II]

[1865-1942]

* ATRIBUIÇÃO DO SEU NOME À PRACETA CONTÍGUA AO MUSEU BERNARDINO MACHADO *

|| VILA NOVA DE FAMALICÃO || 15 DE DEZEMBRO DE 2016 *


"Elzira Dantas Gonçalves Pereira Machado

Filha única do conselheiro Miguel Dantas Gonçalves Pereira e de Bernardina da Silva, nasceu no Brasil a 15 de Dezembro de 1865 e casou nova, em 1882, com Bernardino Luís Machado Guimarães. 

Mãe de 19 filhos, republicana e feminista com intervenção cívica, associou-se à fundação da Liga Republicana das Mulheres Portuguesas, chegando a ser convidada para presidi-la antes do triunfo da República, e apoiou, entre 1909 e 1916, várias das suas iniciativas, com destaque para a Obra Maternal. 

Viveu, entre 1912 e 1914, no Rio de Janeiro, enquanto o marido desempenhou as funções de Ministro de Portugal e, entre 1915 e 1917, num momento de refluxo do associativismo feminino, sobressaiu na Associação de Propaganda Feminista e na Cruzada das Mulheres Portuguesas, com outras republicanas, maçónicas e feministas: primeiro, foi eleita presidente da Empresa de Propaganda Feminista e Defesa dos Direitos da Mulher, sociedade editora do jornal A Semeadora, e da Associação de Propaganda Feminista, tendo subscrito, com Ana de Castro Osório, responsável pelo Grémio Carolina Ângelo, o conjunto de reivindicações feministas apresentadas ao Senado e Câmara dos Deputados em Agosto de 1915, repartidas por quatro temáticas (Instrução, Assistência, Funcionalismo e Direitos Políticos); e, no ano seguinte, quando residia no Palácio de Belém, liderou em Março a criação da Cruzada das Mulheres Portuguesas, que se tornou na principal obra assistencial de apoio aos soldados mobilizados e suas famílias durante a Guerra de 1914-1918, voltando a colaborar com aquela escritora, há muito amiga da família. 

No âmbito da Cruzada mobilizou esposas de ministros, senadores e deputados republicanos, transformando-a num movimento nacional através de dezenas de subcomissões locais e efectiva projecção junto dos soldados em África e na Europa. 

Estruturada em nove Comissões, a Cruzada implementou o Instituto de Reeducação dos Mutilados de Guerra (Arroios); criou creches em Alcântara e Xabregas e Casas de Trabalho; fundou a Escola Profissional n.º 1, em Lisboa, no Campo de Santa Clara; abriu a Escola Agrícola Feminina de Alcobaça; promoveu a assistência aos afilhados de guerra, repatriados e famílias, assegurando-lhes ainda a correspondência; auxiliou os órfãos; e proporcionou formação profissional a enfermeiras de guerra. 

Quando Bernardino Machado foi eleito, em 1915, Presidente da República, acompanhou-o nas suas funções políticas e, pela primeira vez, deu visibilidade ao papel de Primeira-Dama. Sofreu graves contrariedades ao viver as consequências da interrupção violenta dos dois mandatos presidenciais, primeiro em Dezembro de 1917, com Sidónio Pais e, em Maio de 1926, com Gomes da Costa. 

Em ambos os casos conheceu o exílio e, aquando do Sidonismo, viu a intervenção no âmbito da Cruzada ser questionada e perseguida. 

Em 1919, em reconhecimento do trabalho desenvolvido, foi agraciada com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo. 

Escreveu, quando exilada em Espanha e França entre 1927 e 1940, Contos – para os meus netos e faleceu, na cidade do Porto, a 21 de Abril de 1942, com 76 anos de idade."

[João Esteves, in Dicionário de História da I República e do Republicanismo, Assembleia da República, 2014, vol. II]

[2014]

Sem comentários: